Você sabe quais são os seus direitos em caso de demissão por justa causa? Ela acontece quando o trabalhador comete uma falta grave prevista no artigo 482 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), por isso, as verbas rescisórias são bastante específicas.

Portanto, é essencial entender quais são os direitos garantidos para verificar se a empresa fez o pagamento correto. Além disso, também é importante saber quais são as principais causas dessa rescisão e o que fazer em caso de irregularidades.

Pensando nisso, preparamos este post para esclarecer todas essas questões, acompanhe!

Quais os seus direitos na demissão por justa causa?

A rescisão por justa causa é a maior penalidade que pode ser aplicada ao trabalhador e, devido à gravidade da conduta, ele perde o direito às diversas verbas rescisórias. Nessas situações, a empresa só precisará pagar:

  • o saldo de salário referente aos dias trabalhados até a demissão (incluindo horas extras e outros adicionais);
  • as férias vencidas com adicional de 1/3, se houver.

Não há aviso prévio e o empregado perde o direito às verbas proporcionais das férias e do 13º salário. Além disso, a empresa não pagará a multa de 40% do FGTS e o trabalhador não poderá movimentar a conta nem solicitar o seguro-desemprego. As verbas devem ser pagas em até 10 dias após o término do contrato.

Quais são os principais motivos da justa causa?

Como essa modalidade de rescisão traz impactos grandes para o trabalhador, é fundamental compreender as principais causas e evitá-las. Veja as principais causas dessa penalidade:

  • ato de improbidade;
  • incontinência de conduta;
  • mau procedimento;
  • negociação habitual sem permissão da empresa;
  • desídia;
  • violação de segredo da empresa;
  • ato de indisciplina ou de insubordinação;
  • abandono de emprego;
  • agressão física ou a honra em serviço contra qualquer pessoa, exceto legítima defesa;
  • agressão física ou a honra contra o empregador, exceto legítima defesa.

Aqui, é importante frisar que a punição deve ser proporcional e razoável. Existem faltas que apesar de estarem listadas, exigem a recorrência para que configurem realmente a justa causa. Por exemplo, se o empregado veio sem uniforme em um dia (indisciplina), mas não tem outras faltas em seu histórico, a penalidade pode ser considerada excessiva, pois a empresa poderia aplicar a advertência ou a suspensão.

A justa causa também deve ser imediata, aplicada assim que a empresa tem conhecimento sobre a conduta do trabalhador, caso contrário, considera-se que houve o perdão tácito. Finalmente, vale frisar que só é possível aplicar uma punição por conduta, ou seja, a empresa não pode dar uma advertência e, em seguida, demitir o trabalhador por justa causa pelo mesmo motivo.

O que fazer diante de irregularidades?

Caso o processo de rescisão tenha qualquer irregularidade, como atraso no pagamento das verbas rescisórias ou a discordância do trabalhador em relação à penalidade, é fundamental consultar um advogado trabalhista.

As verbas podem ser cobradas judicialmente e o atraso gera o direito à multa equivalente a um salário contratual, prevista no artigo 477 da CLT. Em caso de discordância com o motivo da justa causa, dependendo do caso, é possível conseguir a reversão por meio de ação judicial, convertendo-a em demissão sem justa causa com o pagamento das demais verbas.

Agora que você já sabe quais são os seus direitos na demissão por justa causa e como agir nessas situações, lembre-se de ter atenção às suas obrigações para evitar essa penalidade. Caso tenha dúvidas, procure um advogado especializado para esclarecê-las.

Este post foi útil? Então aproveite para compartilhar nas suas redes sociais! Assim, mais pessoas conhecerão os direitos garantidos na lei em caso de demissão por justa causa.

Powered by Rock Convert